Entenda como o cigarro eletrônico pode ajudar a parar de fumar

Conforme estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 5 milhões de pessoas morrem devido ao cigarro. Deste modo, não existe melhor motivo do que este, para parar de fumar, portanto o cigarro eletrônico pode ajudar.

Levando os estudos da OMS, o tabagismo lidera com 90% as causas de mortes por câncer de pulmão, 85% de bronquite e enfisema, 30% das mortes por câncer de boca, 25% das mortes por doenças do coração e 25% das mortes por derrame cerebral.

Além disso, segundo estudo do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o cigarro também tem relação com a impotência sexual.

Diante estes dados, uma alternativa para largar o vício é investir no cigarro eletrônico. Outro estudo recentemente publicado pelo periódico científico British Medical Journal (BMJ), revelou que os cigarros eletrônicos podem ter ajudado cerca de 18.000 pessoas na Inglaterra a parar de fumar em 2015.

Além disso, outros índices mostram que o vapor eletrônico utilizado com precisão, não causa efeitos colaterais graves. Outro relatório sobre os cigarros eletrônicos, divulgado simultaneamente pela publicação Cochrane Library, demonstra como este dispositivo pode auxiliar os fumantes a largarem o tabaco.

No total, cerca de 2,8 milhões de britânicos utilizam o narguilé eletrônico.


Estudos dos efeitos sobre cigarro eletrônico

Conforme primeiro estudo, os pesquisadores da Universidade College London (UCL) e do Câncer Research UK, ambos na Inglaterra, observaram as taxas de abandono e suporte das pessoas que resolveram largar o vício no período entre 2006 e 2015.

Os resultados indicaram que mesmo que o cigarro eletrônico não tenha influenciado as pessoas que resolveram a parar de fumar, com o uso, aumentou as taxa de sucesso, naqueles que decidiram parar. Conforme autores, cerca de 18.000 pessoas largaram o hábito em 2005, graças ao dispositivo.

Ainda os 18.000 ex-fumantes no censo feito em 2015 que participaram da pesquisa, representa um número “baixo”, porém, de forma clínica “significativo tendo em conta os enormes benefícios para a saúde de deixar o tabaco”, afirmam os autores do estudo, publicado na revista British Medical Journal (BMJ).

No entanto, os benefícios não param por ai, pois conforme outros estudos de pesquisadores da Cochrane, um grupo de apoio a fumantes, concluíram que os efeitos do narguilé eletrônico mesmo que ainda desconhecidos, não causam efeitos colaterais sérios.

Para chegar a este resultado o grupo revisou mais de 24 estudos disponíveis e os resultados mostraram que o dispositivo pode ajudar o fumante.

Deste modo, a proposta do cigarro eletrônico é oferecer nicotina sem expor o indivíduo (as substâncias cancerígenas do tabaco).

Uma pessoa de 40 anos que larga o hábito de fumar pode viver até nove anos a mais do que um fumante que fumou durante toda a sua vida, conforme autores.

Por fim, segundo a Public Health England, departamento de saúde ligado do governo britânico o vaporizador eletrônico são 95% mais seguros do que os cigarros comuns.

Infelizmente no Brasil, a comercialização de cigarros eletrônicos é proibida, pois ainda, não foi aprovado dela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).